«Data de validade» dos «materiais biodegradáveis ​​em contacto com os alimentos»? O advogado Dario Dongo responde

Caro Advogado Dongo,

Os «materiais em contacto com alimentos» biodegradáveis ​​(MCF) tendem a degradar-se naturalmente ao longo dos anos, independentemente da sua utilização real como materiais e objetos destinados a entrar em contacto com alimentos (MOCA), e ainda assim não indicam no rótulo ou na ficha técnica uma técnica de «prazo de validade», ou seja, um prazo dentro do qual podem ser utilizados. Existe alguma exigência regulatória nesse sentido?

Agradecendo-lhe o seu valioso trabalho na divulgação da legislação alimentar, saúdo-o cordialmente, Enrico


O advogado Dario Dongo, Ph.D. em Sistemas Agroalimentares, responde

Prezado Enrico,

a regulamentação geral sobre materiais e objetos destinados a entrar em contato com alimentos está contida no agora desatualizado Regulamento (CE) nº 1935/2004 (FCMR) sobre materiais em contato com alimentos. (1,2) O Regulamento (CE) 2023/2006 implementou então as Boas Práticas de Fabrico (BPF) então desenvolvidas pela indústria em relação a todos os grupos de materiais de contacto. (3)

O FCMR previa que a Comissão Europeia pudesse adotar medidas específicas para determinados grupos de materiais e suas combinações, ou seja, materiais reciclados a serem utilizados como matérias-primas. A utilização de materiais plásticos para a produção de «materiais em contacto com alimentos» (ou MOCA) foi, portanto, objeto de medidas específicas, que resultaram no Regulamento (UE) 10/2011. (4)

A Direção-Geral da Saúde e Segurança Alimentar (DG SANTE) publicou então um guia sobre a aplicação do regulamento. (UE) não. 10/2011, especificamente dedicado à informação a prestar na cadeia de abastecimento. (5)

As disposições gerais sobre embalagens e resíduos de embalagens estão contidas na Diretiva 94/62/CE - que em breve será substituída pelo Regulamento Embalagens e Resíduos de Embalagens (PPWR) (6) - e na Diretiva Plásticos de Utilização Única (UE) 2019/ 904 (SUP), (7) que representa uma lex specialis no que diz respeito tanto ao regulamento acima mencionado como à Diretiva 2008/98/CE (Diretiva-Quadro Resíduos, DQA).

1) «Materiais em contacto com os alimentos» em plástico e bioplástico, regras da UE

Os materiais e objetos feitos de material plástico - incluindo bioplásticos - só podem ser colocados no mercado se:

  • atende aos requisitos do art. 3 do reg. (CE) não. 1935/2004, nas condições de utilização previstas e previsíveis,
  • em conformidade com os requisitos de rotulagem referidos no art. 15 do reg. (CE) não. 1935/2004,
  • em conformidade com os requisitos de rastreabilidade referidos no art. 17 do reg. (CE) não. 1935/2004,
  • fabricado de acordo com as boas práticas de fabricação definidas no reg. (CE) não. 2023/2006, também
  • cumpre os requisitos de declaração e composição referidos nos capítulos II, III e IV do reg. (UE) não. 10/2011. (8)

1.1) Requisitos gerais

Os requisitos gerais previsto no art. 3º do FCMR exigem que os materiais e objetos destinados a entrar em contato com alimentos sejam fabricados em conformidade com as BPF, para evitar a migração (em condições normais ou previsíveis de uso) de seus componentes para os produtos alimentícios. (9)

MarcaçãoAlém disso, a publicidade e a apresentação de um material ou objeto não devem induzir os consumidores em erro. (10)

1.2) Rotulagem

As informações obrigatórias que devem ser indicados no rótulo dos «materiais em contacto com alimentos» são:

  • nome ou firma e endereço do fabricante, transformador ou vendedor responsável pela colocação no mercado, estabelecido na União Europeia,
  • redação 'por contato com produtos alimentícios'ou indicação de utilização específica ou símbolo referido no anexo II do Regulamento (CE) n.º 1935/2004 (FCMR),
  • quando apropriado, instruções especiais a serem observadas para garantir o uso seguro e adequado,
  • lote ou outro código de identificação capaz de garantir a rastreabilidade do material ou objeto.

1.3) Declaração de conformidade

A declaração de conformidade dos «materiais em contacto com alimentos» às disposições em vigor segue as regras gerais previstas no capítulo IV do RMQA. A venda B2B de materiais e objetos destinados a entrar em contacto com alimentos (MOCA) em materiais plásticos deve ser acompanhada de uma declaração escrita (11) do operador responsável (12) capaz de permitir a fácil identificação dos produtos, a renovar se há mudanças significativas na composição ou fabricação que determinam mudanças na migração dos FCMs ou surgem novos dados científicos a esse respeito.

Anexo IV do Regulamento (UE) 10/2011 indica as informações a incluir na declaração de conformidade:

  • identidade e endereço do operador económico que emite a declaração de conformidade,
  • nome ou firma e endereço do operador económico que produz ou importa os materiais ou artigos plásticos ou os produtos numa fase intermédia de fabrico, bem como as substâncias destinadas ao fabrico desses materiais e artigos,
  • a identidade dos materiais, objetos, produtos numa fase intermédia de fabrico, bem como das substâncias destinadas ao fabrico desses materiais e objetos,
  • data da declaração,
  • confirmação de que os materiais ou artigos ou produtos plásticos numa fase intermédia de fabrico, bem como as substâncias acima mencionadas, satisfazem os requisitos relevantes,
  • informações adequadas sobre as substâncias utilizadas ou seus produtos de degradação,
  • informações adequadas sobre substâncias restritas presentes nos géneros alimentícios, obtidas a partir de dados experimentais ou de cálculos teóricos sobre os seus níveis de migração específicos e, se for caso disso, critérios de pureza, de modo a permitir que os utilizadores de tais materiais ou artigos cumpram as disposições pertinentes da UE ou, na ausência destas, as disposições nacionais aplicáveis ​​aos géneros alimentícios,
  • especificações relativas à utilização do material ou objeto, tais como: i) os tipos de produtos alimentares com os quais se pretende entrar em contacto; ii) a duração e a temperatura do tratamento e armazenamento em contacto com o produto alimentar; iii) a relação máxima entre a superfície em contacto com o produto alimentar e o volume cuja conformidade foi verificada,
  • no caso de utilização de barreira funcional num material ou artigo multicamadas, confirmação de que o referido material ou artigo cumpre os requisitos.

3) Conclusões

Os regulamentos europeus aplicáveis aos «materiais em contacto com alimentos» em plástico e bioplástico nem sequer contemplam o conceito de «prazo de validade». Onde, se esta informação tivesse sido fornecida, mesmo que apenas a título facultativo, o legislador europeu teria que definir as modalidades como de facto acontece no Regulamento (UE) n.º 1169/11 sobre Informação Alimentar.

A declaração de conformidade por sua vez, não fornece nada sobre a conservação das embalagens, concentrando-se antes nas condições de utilização após contacto com os alimentos, incluindo tempos e temperaturas de armazenamento. E é neste último tópico, como visto, que deve ser chamada a atenção dos utilizadores industriais de «materiais em contacto com alimentos».

Cordialmente

Dario

Note

(1) Regulamento (CE) n.o 1935/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de outubro de 2004, relativo aos materiais e objetos destinados a entrar em contacto com os alimentos e que revoga as Diretivas 80/590/CEE e 89/109/CEE. Última versão consolidada 27.3.21 https://tinyurl.com/29fwwfa2

(2) Dario Dongo, Paolo Rebolini. Utensílios de cozinha e materiais em contacto com alimentos, condições de teste na UE. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 22.8.22

(3) Regulamento (CE) n.o 2023/2006 da Comissão, de 22 de dezembro de 2006, relativo às boas práticas de fabrico de materiais e objetos destinados a entrar em contacto com alimentos. Texto consolidado 17.4.08  https://tinyurl.com/2w4xckzj 

(4) Regulamento (UE) n.o 10/2011 da Comissão, de 14 de janeiro de 2011, relativo a materiais e objetos de plástico destinados a entrar em contacto com alimentos. Último texto consolidado 31.8.23 https://tinyurl.com/nhfw38ph 

(5) Orientações da União sobre o Regulamento (UE) n.º 10/2011 relativo a materiais e artigos plásticos destinados a entrar em contacto com alimentos no que diz respeito à informação na cadeia de abastecimento. https://food.ec.europa.eu/system/files/2016-10/cs_fcm_plastic-guidance_201110_reg_en.pdf  

(6) Martha Strinati. Regulamento de Embalagem (PPWR), o Parlamento Europeu aprova uma versão mais suave. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 24.11.23

(7) Dario Dongo, Luca Foltran. Diretiva SUP, Decreto Legislativo 196/21. Novas regras para itens de plástico de uso único a partir de 14.1.22. PRESENTE (Grande comércio de comida italiana) 29.12.21

(8) Regulamento (UE) n.º 10/2011, art. 4

(9) Em quantidades que a) constituam perigo para a saúde humana; b) resultar numa alteração inaceitável na composição dos produtos alimentares; ou c) conduzir a uma deterioração das suas características organolépticas.

(10) O FCMR, no considerando 7, sugere atenção especial à rotulagem de embalagens ativas e inteligentes

(11) De acordo com o art. 16 do reg. (CE) não. 1935/2004.

(12) A pessoa singular ou colectiva responsável por zelar pelo cumprimento do disposto no Reg. (CE) n. 1935/2004 na empresa colocada sob seu controle.



Translate »